Falsificação de rolamentos ameaça indústria nacional

A falsificação de produtos não atinge apenas o consumidor final, mas já representa uma ameaça para a indústria nacional. Peças essenciais utilizadas no processo de fabricação de setores como mineração, petróleo e gás, siderurgia, naval, energia elétrica e eólica, além do papel e celulose, os rolamentos falsos representam um problema no mercado brasileiro. Dados da ADIRPI - Associados Distribuidores e Importadores de Rolamentos e Peças Industriais – mostram que, atualmente, 20% das vendas são de falsificações. O levantamento foi realizado em agosto junto aos fabricantes e distribuidores das peças.

“Em reais, esse número soma R$ 200 milhões, pois o mercado hoje soma cerca de R$ 1 bilhão de vendas anuais”, conta o representante da ADIRPI, Carlos Fávaro. A entidade representa cerca de 80% do mercado de distribuidores de rolamentos e, diante da preocupação com o problema da falsificacão, acaba de lançsar uma campanha para conscientizar as empresas sobre o tema.

“Um rolamento falsificado ou adulterado pode colocar em risco a segurança de pessoas, pois não possuem as mesmas características técnicas dos originais, não suportam as mesmas cargas e aumentam consideravelmente o risco de quebra prematura, o que danifica veículos, máquinas rotativas, causa prejuízos enormes e acidentes graves, até mesmo fatais”, observa o representante da ADIRPI.

A campanha brasileira está ligada à global Stop Fake Bearings (Pare com Rolamentos Falsificados - www.stopfakebearings.com) promovida pela WBA (World Bearing Association), uma iniciativa para alertar sobre os problemas relativos ao comércio de rolamentos falsificados. No Brasil, a ADIRPI formou um grupo de trabalho no combate à falsificação e adulteração de rolamentos. A campanha de conscientização sobre os riscos de aquisição de um rolamento falsificado consiste na distribuição de folder e materiais educativos disponíveis no site da ADIRPI (www.adirpi.org.br), palestras para associados e usuários da indústria sobre os riscos de rolamentos falsificados, uso de vídeos em site da ADIRPI e de seus associados, bem como distribuição de material educativo em eventos e entidades do setor industrial.

Segundo a ADIRPI, o grande desafio é a identificação visual do rolamento falsificado, pois podem ser rolamentos novos de qualidade inferior, gravados com marcas reconhecidas pelo mercado a fim de atrair compradores com preços baixos. “Alguns falsificadores ainda reutilizam embalagens descartadas e rolamentos sucateados através de processo de usinagem e polimento, para depois vendê-los como originais novos, pois a aparência remete a um produto sem uso”, alerta.

Por esse motivo, um dos motes da campanha é demonstrar a necessidade de cuidado ao descartar um rolamento que já completou a sua vida útil. “É importante que usuários utilizem um processo de destruição do rolamento sucateado e sua embalagem afim de que não seja possível mais reutilizá- lo”, observa Fávaro.

Os rolamentos falsificados são encontrados em praticamente todos os lugares ao longo da cadeia de fornecimento global e, o maior problema, é não serem limitados a tamanho ou tipo. Apesar da percepção de que rolamentos menores para aplicações automotivas ou para eletrodomésticos predominam por serem fáceis de copiar, os rolamentos de grande porte falsificados estão cada vez mais comuns no mercado de reposição industrial.

Apesar de existirem diversos casos de falsificação, que resultaram na parada de indústrias, é difícil mensurar os prejuízos causados pelo problema. “Vimos o caso de uma siderúrgica que substituiu os rolamentos e, depois de duas a três horas de operação, identificou um desempenho muito baixo. A equipe de manutenção da usina foi forçada a parar o equipamento, desmontar os rolamentos, e remontar os rolamentos antigos”, conta. Ao todo, haviam sido adquiridos cerca de mil rolamentos falsificados.

Outro caso ocorreu em uma refinaria petroquimica, a qual foi forçada a uma parada de emergência, para revelar que foram fornecidos rolamentos de fontes não confiáveis. Após apenas dois dias em operação, um desses rolamentos falhou em uma aplicação crucial, forçando uma parada não planejada. “Por isso, a ADIRPI recomenda aos usuários de manutenção industrial a adquirirem rolamentos apenas de fontes confiáveis tais como distribuidores autorizados pelos fabricantes de rolamentos”, finaliza Fávaro.

Como podemos ajudar na divulgação desta Campanha?

Esta ação só terá resultados efetivos, ou seja, trazer de volta para os cofres dos fabricantes e distribuidores de rolamentos industriais, parte dos R$ 200 milhões/ano, com a participação de todos os elos desta cadeia. Não existe outra fórmula que não a da participação e união de todos, distribuidores e fabricantes de rolamentos.

E todos os meios serão bem vindos para esta ação. A ADIRPI contratou um Assessoria de Imprensa para ajudar numa divulgação profissional da campanha, direcionada aos meios de comunicação de massa, como por exemplo o jornal Valor Econômico, mas também segmentadas como revistas especializadas.

Utilizaremos como meios de divulgação os sites dos distribuidores e fabricantes, e-MKT para o mailing dos fabricantes e distribuidores, mídia social – Facebook, Linkedin, Youtube, Treinamentos, workshops, feiras e seminários realizados pelos fabricantes e distribuidores, inserção do selo da campanha nas propagandas em revistas dos fabricantes, nos espaços gratuitos de mídia espontânea (revistas), apoio das associações e organizações técnicas como ABIMAQ, Abraman, ABM, IBP, Família Manutenção, Manutenção.Net, e Revista Prodfor. Trata-se de uma verdadeira batalha para arrancarmos esta parcela significativa de faturamento das mãos dos contraventores.

Para isso foram criados materiais com a ajuda da WBA - uma associação mundial, voltada basicamente para este assunto, e que estão á disposição de todos que queiram participar ativamente desta campanha. O objetivo é conscientizar os usuários de rolamentos para que eles adquiram os mesmos em fontes confiáveis, tais como distribuidores de rolamentos autorizados pelos fabricantes.

Para este trabalho de campo temos um folder e um pôster impressos, selo eletrônico para utilização diversa, slides para inserção em treinamentos, apresentação da empresa e workshops, vídeo em português sobre o tema, e o site da WBA com todas as informações necessárias para que tenhamos consistência na hora de mostrar aos usuários. Em breve, a ADIRPI disponibilizará um novo site onde todos poderão fazer download desses materiais.

Por enquanto, fale direto com o seu fabricante de rolamentos ou com a ADIRPI.

Se uma foto fala mais que mil palavras...um vídeo?

Atualmente, não basta só falar, temos que mostrar, e se mostrarmos com vida, como um vídeo, melhor ainda será. Por isso, uma forma muito fácil de transmitir toda esta campanha para quem de fato é o interessado, é através da via eletrônica.

Duas formas foram criadas para este fim. Uma é o selo e a outra é o vídeo. Com o selo podemos fazer a divulgação de várias maneiras, mas uma delas é extremamente fácil e ao alcance de todos. Coloque-o na assinatura do seu e-mail. Peça ao seu TI e ele fará isso com muita facilidade.

A outra forma é passar para os seus clientes o link do vídeo já com a narração em português. Muito fácil e com um efeito surpreendente. Temos dois links para que o vídeo possa ser visto.

Um link é direto no site da WBA: http://stopfakebearings.com/pt/video/
O outro vídeo é direto no Youtube: http://www.youtube.com/watch?v=xrkBk3VBOrg

São maneiras acessíveis a todos e muito fácies de serem disseminadas.

Vamos lá. Contamos com a sua colaboração para o sucesso desta campanha!

Clique aqui para fazer o download da Campanha de Falsificação de Rolamentos (.pdf)

Fones: (55 11) 3041-2029 - Fax: (55 11) 3041-2084 - E-mail: comercial@multitek.com.br